Blog da Salwa - Notícias e Eventos da Cidade

27 de fevereiro de 2016

Caixa não libera financiamento da casa própria em 2016 mesmo para mutuários com crédito aprovado

Banco afirmou que já utilizou todo dinheiro disponível em 2016 para a modalidade pró-cotista

Redação VN
redacao@varelanoticias.com.br
A Caixa Econômica Federal tem deixado muitos brasileiros preocupados. Isso porque o banco declarou que acabou o crédito do financiamento da casa própria para o ano de 2016, mesmo para os mutuários que tiveram o financiamento aprovado e pagaram a entrada do próprio bolso. De acordo com o “Bom Dia Brasil”, com o dinheiro do financiamento não está saindo,  agora eles podem perder o negócio.
Por meio de nota, a Caixa diz já gastou todo o orçamento do ano para uma das modalidades de crédito. O banco tem deixado desiludidas pessoas que entregaram papelada, tiveram documentos analisados e o crédito autorizado, mas ficaram sem o dinheiro.
Os casos que apresentam problemas  no empréstimo são os da linha de crédito pró-cotista, que usa dinheiro do FGTS para financiar imóveis de até R$ 400 mil. Só pode se candidatar, quem comprova que trabalha ou trabalhou pelo menos três anos, com carteira assinada, estar com contrato de trabalho ativo ou tem saldo na conta do FGTS com, no mínimo, 10% do valor do imóvel.
A Associação Brasileira dos Mutuários da habitação diz que somente no mês de janeiro recebeu, em média, 20 reclamações por dia de pessoas na mesma situação.
A Caixa Econômica informou que não está mais liberando empréstimos nessa linha de financiamento porque já usou, nos primeiros meses do ano, todo o orçamento que estava previsto para 2016: R$ 700 milhões.  Isso é o equivalente a apenas 12% do valor que a Caixa emprestou ano passado no pró-cotista.
O banco informou que pediu mais dinheiro para o Ministério das Cidades para reabrir os financiamentos e aguarda uma decisão do conselho curador do FGTS, que pode sair ainda esta semana. Em nota, informou que todas as operações aprovadas pelo banco serão honradas.
O representante da Associação Brasileira dos Mutuários diz que a Caixa não podia ter aprovado um crédito sem a garantia dos recursos. O Ministério das Cidades disse que vai apresentar ao conselho curador do FGTS o pedido de mais recursos para o pró-cotista numa reunião que está marcada para sexta-feira (26), em Brasília. Mas não informou qual o valor que pode ser liberado.
(Atualização)
Em nota enviada ao Varela Notícias nesta sexta-feira (26), a Caixa se pronunciou novamente sobre o caso. No texto, a estatal reafirmou que vai honrar todas as operações aprovadas. Leia abaixo na íntegra:
“Em 2015, a CAIXA aplicou R$ 5,7 bilhões na linha de crédito Pró-Cotista e, em 2016, já foram aplicados integralmente o orçamento de R$ 700 milhões. A reabertura dos financiamentos pela linha aguarda suplementação de recursos pelo Ministério das Cidades, que será discutida em reunião pelo Conselho Curador do FGTS, prevista para esta sexta-feira (26). Todas as operações que forem aprovadas pela CAIXA, como é rotina do banco, serão honradas.
A CAIXA reforça que todas as demais linhas que utilizam recursos do FGTS e SBPE estão sendo contratadas normalmente.
Pró-Cotista:
A linha de crédito destina recursos financeiros para a concessão de financiamentos de imóveis residenciais situados em áreas urbanas, exclusivamente para trabalhador titular de conta vinculada do FGTS, observadas as condições do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e de utilização do FGTS para a aquisição de moradia própria.
A linha financia até 85% de imóveis avaliados em até R$ 400 mil pelo prazo máximo de 360 meses para clientes que trabalharam 36 meses, consecutivos ou não, sob regime do FGTS. Caso o cliente não possua contrato de trabalho ativo, deve possuir saldo em conta vinculada do FGTS correspondente a, no mínimo, 10% do valor do imóvel. As taxas de juros variam de 7,85% a.a até 8,85% a.a, enquanto a quota máxima é de 85% do valor do imóvel, dependendo da modalidade de financiamento.”

10 de fevereiro de 2016

Confira dicas práticas para adotar um estilo de vida saudável

Por: Redação Doutíssima em 16/12/2015
Manter um estilo de vida saudável ajuda a prevenir doenças crônicas, melhorar a autoestima e garantir longevidade. Mas tudo isso você já sabe. A questão é: como adotar uma alimentação balanceada e uma rotina de exercícios físicos, diante da correria do dia a dia e de tantas tentações gastronômicas industrializadas nos supermercados?
Um estudo publicado no European Journal of Social Psychology afirma que para transformar um hábito são necessários cerca de 66 dias. Ou seja: para adotar uma vida mais saudável, você terá que ter força de vontade e se livrar de hábitos ruins por esse período de tempo, até que o novo comportamento se torne automático.
Na prática, transformar um hábito pode ser mais difícil. Mas o segredo é começar aos poucos, fazendo algumas trocas inteligentes na alimentação, encarando o exercício físico como parte obrigatória da rotina e passando longe das tentações. Se tiver vontade de desistir, a dica é: lembre-se do motivo pelo qual você decidiu mudar e foque no objetivo.
Veja algumas dicas para um estilo de vida saudável no infográfico:
08.02.2016 - 11:00

Porte de CNH pode deixar de ser obrigatório

Projeto de lei aprovado na Câmara desobriga também necessidade de se levar o documento do veículo
Carteira de Habilitação e documento do veículo podem deixar de ter porte obrigatório
José Cruz/Agência Brasil
Carteira de Habilitação e documento do veículo podem deixar de ter porte obrigatório
O porte da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo pode deixar de ser obrigatório, segundo o Projeto de Lei 8022/14, aprovado pela Comissão de Viação e Transportes da Câmara dos Deputados.
De acordo com as autoras do projeto, a ex-deputada Sandra Rosado e a deputada Keiko Ota (PSB-SP), as autoridades de trânsito têm sistemas online, que permitem a verificação instantânea da situação do condutor e do veículo, mesmo que o motorista não esteja portando a CNH ou o documento do carro.
Ainda segundo o projeto de lei, em caso de impossibilidade de consulta ao banco de dados, a multa e a pontuação na carteira devem ser canceladas se o condutor apresentar em 30 dias a CNH e/ou o comprovante de pagamento do licenciamento.
Para ser aprovado na Comissão de Viação e Transportes, uma emenda foi adicionada ao projeto, tornando obrigatório o porte de outro documento legal de identificação do condutor. O texto ainda vai ser analisado pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.